InícioNotícias do mundoBanco da Inglaterra Avalia os Efeitos da Inflação

Banco da Inglaterra Avalia os Efeitos da Inflação

Resumo Semanal da Economia: BoE e ECB Diante da Inflação, Volatilidade nos Mercados Globais

O BoE mantém as taxas em meio ao escrutínio da inflação, e o BCE está de olho nos cortes. Mercados dos EUA voláteis. Principais eventos à frente. A economia global navega pelas incertezas

Na semana passada, o Banco da Inglaterra (BoE) manteve as taxas de juros em seu nível mais alto em quase 16 anos, sinalizando uma abordagem cautelosa diante das mudanças na dinâmica econômica. O governador do BoE, Andrew Bailey, reconheceu que a inflação está se movendo na direção certa, mas a possibilidade de cortes nas taxas foi introduzida, marcando uma mudança na postura do BoE. Esta reunião foi notável, pois o Comitê de Política Monetária votou simultaneamente tanto por aumentos quanto por cortes nas taxas, enfatizando a incerteza no cenário econômico.

Seis membros do comitê optaram por manter as taxas em 5,25%, enquanto dois favoreceram um aumento de 0,25 pontos percentuais, e um apoiou um corte semelhante. Essa decisão desafiou as expectativas, já que os economistas esperavam que apenas um membro votasse a favor de um aumento nas taxas. Apesar do potencial de cortes em 2024, Bailey enfatizou que ainda é prematuro declarar a vitória sobre a inflação, destacando a necessidade contínua de vigilância.

O BoE revisou sua previsão de inflação, esperando que a inflação de preços ao consumidor retorne brevemente a 2% no segundo trimestre de 2024, em contraste com a estimativa anterior de final de 2025. No entanto, a perspectiva de médio prazo sugere que a inflação subirá acima de 2% no terceiro trimestre de 2024 e não atingirá a meta até o final de 2026. Este ajuste visa alertar os mercados contra a superestimação da probabilidade de cortes nas taxas.

Oferecemos vários tipos de contas de negociação Forex que podem ser adaptadas às suas necessidades. Você pode usar várias contas para obter benefícios adicionais

Tendências de Inflação na Europa e Possíveis Cortes nas Taxas

Na Europa, a inflação recuou para 2,8% em janeiro, alinhando-se às expectativas do mercado. A queda foi atribuída a uma diminuição de 6,3% nos preços da energia, aproximando o Banco Central Europeu (ECB) de sua meta de 2%. Essa tendência de baixa na inflação é vista como um sinal positivo para a estagnada economia europeia, com a expectativa de que a moderação dos preços e o aumento dos salários restaurem o poder de compra do consumidor.

A Alemanha, a maior economia da Europa, experimentou uma queda na inflação para 3,1%, ante 3,8% em dezembro, o nível mais baixo desde junho de 2021. A França, segunda maior economia, também testemunhou uma queda para 3,4%, ante 4,1%. O foco do ECB na inflação básica, excluindo preços voláteis de alimentos e energia, caiu para 3,3%.

No entanto, surgiram riscos na trajetória da inflação devido a interrupções nas rotas de envio pelo Mar Vermelho, afetando bens e combustíveis destinados à Europa. Tensões geopolíticas no Oriente Médio, especialmente o conflito entre Israel e o Hamas, representam uma ameaça potencial aos custos de envio e aos níveis de inflação.

A especulação aumentou sobre a possibilidade de cortes nas taxas de juros do ECB, com possível timing por volta de abril. Funcionários do ECB, assim como seus homólogos no BoE e no Federal Reserve dos EUA, permanecem cautelosos, enfatizando decisões com base em dados econômicos entrantes.

Equidades do Mercado dos EUA

Nos Estados Unidos, Wall Street experimentou volatilidade após a indicação do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, de que um corte nas taxas em março é improvável. As ações se recuperaram enquanto os traders aguardavam relatórios de ganhos de grandes empresas como Apple, Amazon e Meta Platforms. Os rendimentos do Tesouro se estabilizaram após a decisão da Fed, enquanto os preços do petróleo subiram com relatos de planos aprovados para ataques no Iraque e na Síria.

Dados econômicos mistos antes do relatório de empregos de sexta-feira incluíram um aumento inesperado nas reivindicações de desemprego para o nível mais alto em dois meses. Os analistas esperam um crescimento de empregos de aproximadamente 185.000 em janeiro, após um ganho de 216.000 em dezembro. O mercado permanece sensível à possibilidade de um corte nas taxas mais cedo do que o esperado, dependendo dos dados econômicos dos EUA.

Movimentações do Mercado e Destaques Corporativos

As ações mostraram movimentos mistos, com o S&P 500 subindo 0,5%, o Nasdaq 100 0,6%, e o Dow Jones Industrial Average ganhando 0,2%. O Stoxx Europe 600 e o índice MSCI World demonstraram mudanças mínimas.

Nos mercados de moedas, o índice Bloomberg Dollar Spot diminuiu 0,2%, com o euro estável em $1,0825. A libra esterlina teve uma queda de 0,1% para $1,2670, enquanto o iene japonês se fortaleceu 0,3% para 146,54 por dólar.

As criptomoedas tiveram ganhos modestos, com o Bitcoin subindo 0,7% para $42.744,78 e o Ether aumentando 1,1% para $2.301,87.

No mercado de títulos, o rendimento dos títulos do Tesouro de 10 anos caiu três pontos-base para 3,88%, enquanto o rendimento dos títulos alemães de 10 anos permaneceu estável em 2,16%, e o rendimento dos títulos britânicos de 10 anos caiu três pontos-base para 3,77%.

As commodities apresentaram tendências de alta, com o petróleo West Texas Intermediate subindo 1,4% para $76,88 por barril e o ouro à vista aumentando 0,4% para $2.047,20 por onça.

Próximos Eventos-Chave

Relatório de emprego dos EUA, índice de sentimento do consumidor da Universidade de Michigan, pedidos de fábrica na sexta-feira.
Legisladores alemães realizam votos finais sobre o orçamento federal revisado de 2024 na sexta-feira.
O economista-chefe do Banco da Inglaterra, Huw Pill, fala na sexta-feira.

Nosso Blog Econômico fornece atualizações regulares sobre notícias importantes de Forex e do mercado. Não deixe de conferir regularmente

Registro
3,884FãsCurtir
500SeguidoresSeguir
8,633SeguidoresSeguir